terça-feira, 4 de março de 2014

O PROBLEMA DE FLAVIO JOSEFO

Antes de tudo, vamos conhecer um pouco desse fascinante personagem. Yoseph ben Mattityahu ha-Cohen, ou Fávio Josefo (Em latim Flavius Josephus), historiador judaico do século I. Nasceu em Jerusalém, pelos anos 37 ou 38. Segundo a sua Autobiografia, era oriundo de uma antiga família sacerdotal. Aos 19 anos ingressou no partido dos fariseus. Em 64, em Roma, foi advogar a causa dos judeus deportados por ordem do procurador Felix, e ganhou o processo, graças ao apoio que lhe prestou Poppéa Sabina, mulher de Nero. De regresso á Judéia (66), aconselhou os compatriotas á resignação, mas arrastado por eles, entrou na sublevação, organizando a insurreição da Galiléia. Sitiado na fortaleza de Jotapate, caiu em poder dos romanos. Levado a presença de Vespasiano, aplicou-lhe com argúcia as profecias bíblicas que dizem respeito ao Messias e prometeu-lhe o império em nome de Deus. Subindo ao trono, Vespasiano deu a liberdade ao prisioneiro, que, em sinal de reconhecimento, ajuntou ao nome o patronímico do seu protetor, Flavio. Assistiu ao cerco de Jerusalém nas fileiras romanas e serviu muitas vezes de parlamentar junto dos sitiados. Tomada a cidade, fixou-se em Roma. As obras conhecidas de Josefo são quatro (4), originalmente escritas em Grego. Saiba mais clicando aqui >>>

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.